Insegurança
Comerciantes de Itabaianinha estão assustados com a onda de assaltos na cidade.
28/07
às 08:27
Fotos: Piska Jr.

 

. “Itabaianinha tá uma terra sem lei, aqui os ladrões estão assaltando comércio e casas.” Declarou uma comerciante.

 A cidade de Itabaianinha, nona maior cidade de Sergipe, destaca-se na região sul do estado  pelo grande número de indústrias têxteis e cerâmicas que movimentam a economia local. Cidade até então calma, com uma população estimada em aproximadamente quarenta mil pessoas* e que na atualidade está sendo atormentada por uma série de roubos e furtos a qualquer hora do dia.

De acordo com comerciantes, uma série de assaltos e furtos está acontecendo no município e estes delitos estão sendo provocados por alguns menores usuários de crack. Segundo alguns comerciantes, um dos principais suspeitos de cometer esses roubos é um menor, conhecido como Chiclete de apenas 15 anos.

O Clima na cidade é de medo e a população evita falar sobre o assunto. A redação do Diariosergipano procurou algumas vítimas desse adolescente que preferiram não se identificar e com muito medo falaram sobre o assunto.

De acordo com uma comerciante do centro da cidade, o jovem invadiu a sua loja na madrugada, e como não conseguiu encontrar dinheiro, levou algumas roupas do seu estabelecimento. A  Polícia prendeu o menor que foi conduzido até a delegacia, onde foi colocado cara a cara com a vítima. “Fiquei muito constrangida com essa situação e tive muito medo, pois a policia prende em um dia e no outro ele está solto” desabafou a comerciante que continuou com as suas queixas. “Ele sabe onde eu estou  e eu não sei onde ele está” finalizou.

Segundo outra comerciante que também preferiu manter sua identidade em sigilo, a cidade não tem lei. “Itabaianinha tá uma terra sem lei, aqui os ladrões estão assaltando comércio e  casas.” Declarou a comerciante que afirmou ainda que vem crescendo o número de  assaltos a mão armada de dia e a noite. “Terça feira, 26, uma senhora se dirigia até a agência bancária para depositar oitocentos reais e foi interceptada  por ladrões que levaram todo o dinheiro”  afirmou.

De acordo com outra empresária da cidade, o pai do menor também é uma vítima do adolescente. “Por várias vezes eu vi o seu Manoel pedindo socorro e ninguém faz nada” afirmou a mulher que se mostrou muito preocupada com a insegurança da cidade. “ Aqui nós não temos segurança nenhuma, eu prestei queixa do roubo, só que é a mesma coisa que nada. A minha vida é muito mais importante   e é melhor que qualquer coisa” desabafou a comerciante que lamentou a nova lei que deixa solto quem comete esse tipo de infração. Segundo a empresária, o fato de ver o pai do menor sendo vítima diária do seu próprio filho dói mais do que ter visto a sua loja arrombada pelo infrator.

Procurado pela redação do Diariosergipano e pelos repórteres Marcelo Jr e Fábio Oliveira, o senhor Manoel de Jesus, 51, pai do adolescente, desabafou para a imprensa e relatou alguns momentos difíceis ao lado do seu filho.

“Tenho muito medo que ele amanheça morto. As drogas estão acabando com o meu filho” desabafou o pai que negou a participação do adolescente na invasão ocorrida nesta tarde em uma escola. “Meu filho não participou da invasão, ele estava em casa brincando com o irmão quando a polícia foi lá e eu o entreguei para que ele fosse levado para o SENAM”, afirmou o trabalhador informal que declarou que por muitas vezes tentou na justiça manter o seu filho preso. “ Já falei várias vezes com a Doutora Talita, mais ela me disse que só poderia deixar ele preso se ele cometesse algum crime”, lamentou.

Ainda segundo Sr. Manoel, a prisão do seu filho é um alívio para ele e também para os comerciantes. “ Meu filho me ameaçava muito, ele nunca roubou nada dentro de casa, agora na rua ele não podia ver nada que roubava para usar drogas” afirmou o pai que declarou ter ido por várias vezes pegar o filho nas bocas de fumo da cidade.

“Agora eu vou descansar um pouco. Tem dois meses que meu filho foi preso, passou trinta dias lá e depois o soltaram, e desde então ele vem aprontando, fazendo arruaço e tirando o nosso sossego, declarou o pai desesperado ”.

Antes de finalizar a sua entrevista, o senhor Manoel fez um desabafo: “Isso não é vida de gente, quando ele está normal é um menino bom, mais quando está na pedra ninguém aguenta” lamentou o pai que continuou com o seu desabafo. “Meu sofrimento é grande, nem trabalhar eu posso mais. Agora eu quero descansar um pouco, porque a minha vida é só sofrimento” .finalizou.

A Polícia Civil e  Militar, juntamente com o GATI e o COPE intensificaram o policiamento na cidade e buscam prender os meliantes que estão aterrorizando a cidade.

Por: Pisca Jr.

*Dados da população referente a censo IBGE 2010.

D. Joana sendo entrevistada por: Marcelo Jr e Fábio Oliveira

Postado Por: Pisca Jr

 

Por Pisca Jr. do Diário Sergipano

 

 

Related Posts with Thumbnails
 

 



Publicidade